Ponto-de-vista

Aqui vai um texto que vai ser importante no estágio que nos encontramos. Eu já dividi toda a minha história em capítulos e cenas e agora estou realmente de mangas arregaçadas escrevendo.Uma das primeiras decisões que tive que tomar foi em relação ao ponto-de-vista. Esse texto foi um dos que achei e que me ajudou a decidir a partir de qual personagem retratar a cena que visualizei na mente. Descobri que quando ponho a cena no papel, nem sempre ela fica tão boa quanto imaginei. As vezes tive que trocar o ponto de vista para ajustá-la. Esse é um texto bem básico sobre ponto de vista, se gostarem eu posto os outros que achei que tratam esta questão com mais profundidade. Espero que gostem. Bjos da Barts

PONTO DE VISTA

Autor: Judith Bakley
Publicado em: julho 14, 2009

A utilização do ponto de vista (POV – sigla em inglês) deve ser coerente e adequado para a história a ser contada. Embora a terceira pessoa seja a mais amplamente utilizada, primeira e segunda pessoas podem ser mais pessoais.

PONTO DE VISTA (ou POV)

Ponto de vista é o caminho para o leitor se colocar dentro da cabeça do personagem; para saber o que estão pensando, sentindo, vendo e experimentando. Existem três grandes formas de escrever ponto de vista (POV): primeira, segunda e terceira pessoa. Todos eles podem ser escritos no presente ou passado, mas o passado é frequentemente o método preferido. Os parágrafos abaixo vão demonstrar cada um nessa mesma ordem.

ESCOLHA UM POV E FIQUE COM ELE!

1ª Presente : Eu ando pela loja procurando o vestido perfeito para vestir à noite.
1ª Passado: Eu andei pela loja procurando o vestido perfeito para vestir à noite.

2ª Presente: Você caminha pela loja procurando o vestido perfeito para vestir à noite.

2ª Passado: Você caminhava pela loja procurando o vestido perfeito para vestirem à noite.

3ª Presente: Ela caminha pela loja procurando o vestido perfeito para vestir à noite.

3ª Passado: Ela caminhou pela loja procurando o vestido perfeito para vestir à noite.

PRIMEIRA PESSOA

Apesar de primeira pessoa ser usada frequentemente em ficção, ela limita o escritor e leitor a verem somente o que está acontecendo a partir da perspectiva do personagem principal. Este é um bom método para usar em um mistério, quando o escritor não quer nada revelado até que o personagem principal da história os descubra. Também é comum em livros de não-ficção, uma vez que é narrado a partir do ponto de vista do escritor. Pode ser lido como o diário de alguém e ajuda ao leitor a se identificar mais com o personagem.

SEGUNDA PESSOA

Este POV é raro e provavelmente o mais difícil de escrever. Além disso, é limitado à perspectiva de uma única pessoa, mas é útil quando o escritor quer que o leitor a se sinta como se ele ou ela estivesse na história. Esta é também uma forma mais pessoal de escrever. O leitor passa a ser o principal personagem. O problema, em escrever desta forma é quando o leitor não concorda com o que ele/ela está a sentindo sobre história.

TERCEIRA PESSOA

POV em 3ª pessoa é o mais popular, porque podemos contar mais sobre a história. Pode ser exclusivamente a partir da perspectiva do personagem principal, da mesma forma que é feito em primeira e segunda pessoa, mas também tem a vantagem de troca entre muitos personagens. A 3ª pessoa-limitado é a partir de um personagem. A 3ª pessoa-onisciente (ou ilimitada) é a partir de todos os personagens que tenham pontos de vista. O leitor pode vislumbrar mais do desdobramento história a medida que ele vai entrando na cabeça de cada personagem.

UM POV POR CENA

Mudar do POV de um personagem para outro deve ser feito com cuidado, ou esse salto entre a cabeça de um personagem para a cabeça de outro pode irritar o leitor. É melhor ficar com um personagem por toda a cena, e mudar para outro personagem somente quando for para outra cena ou quando passar para outro capítulo. A principal coisa a lembrar é que enquanto estiver no POV de um personagem, o leitor não poderá saber o que está acontecendo na cabeça do outro personagem. Este é um erro comum entre os escritores, aspirantes ou veteranos. Todos são suscetíveis ao mesmo erro, visto que é um aspecto muito difícil de se dominar.

Se você está na cabeça do herói e ele beijou a heroína, a seguinte descrição não pode ser utilizada:

Seu toque transformou-a, e ela sentia o calor entre suas pernas.

O herói não pode saber disso (“ela sentia o calor entre suas pernas”), uma vez que ele não consegue ver ou sentir isso acontecer dentro dela. A melhor maneira de fazer isso a partir da perspectiva do herói seria assim:

Os olhos dela pestanejaram, e um suspiro escapou seus lábios a medida que ela foi amolecendo. Ele apertou os braços em torno dela, e sentiu um tremor percorrer o seu corpo. Ele sorriu, percebendo seu toque a excitá-la.

DESCRIÇÃO É A CHAVE PARA DOMINAR POV

O segundo exemplo, não só fica com o herói, mas dá mais conteúdo descritivo do que a primeira frase. Descrição chama o leitor mais na história, promovendo a sua satisfação. É, em última instância, decisão do escritor qual POV utilizar. Todos eles servem um objetivo diferente.

12 pensamentos sobre “Ponto-de-vista

  1. Oii.. adorei isso sobre o ponto de vista.
    Andei me encucando com isso mesmo. Escrevi toda a história em 1ª pessoa, não gostei e recomeçei em 3ª pessoa.
    Se puder colocar mais informações será legal.
    Beijo

  2. Um de meus pequenos “dilemas” é exatamente esse: como mostrar a história? Eu tenho, até o momento em que escrevo esse comentário, 165 páginas de uma trilogia que estou tentando dar vida. Não acho que esteja ruim, mas creio que eu terei de encontrar um jeito melhor de mostrar o que acontece na história.

    =]

    • Bem, você já tentou estabelecer o que vai acontecer em cada livro? Acho que a princípio deve pelo menos ter uma ideia, nem que seja superficial, tem que pelo menos conhecer as linhas gerais da historia. Desse jeito você já tá escolhendo o quê e como mostrar a sua história. Com esse esqueleto em mãos fica mais fácil decidir o quê deve ser mostrado e quando. Tô falando isso pq parece que vc está escrevendo os três livros simultaneamente.

  3. Minha nossa! Seu blog era tudo que eu precisava! Muito obrigada mesmo! Estou escrevendo uma ficção no meu blog, queria muito que pudesse dar uma olhada! Obrigada, abraço!

    • Oí, que bom que gostou do blog! Que tipo de ficção você escreve? Eu curto fantasia e sci-fi. Assim que puder eu dou uma passada lá no seu blog e leio o que está escrevendo, ok?

  4. Gostar é pouco menina. Acordei hoje as sete e meia, e terminei agora, mas li seu blog inteiro, de cabo a rabo. Gostaria de saber se sua avó está melhor, sem querer entrar na sua vida pessoal, claro. Mas sou curiosa, sabe como é. Tenho que admitir, minha ficção é sci-fi, porém é um pouco mais dramática do que as outras. É a partir daí que acho que ela está mais original. Li o seu sumário de “A Vila”, e adorei! Nunca encontrei livros interessantes sobre espiritos, você tem muito talento. Obrigada por nos contagiar com ele também! Beijos, boa noite!

  5. Eu uso um monte de POV pelo meu livro que estou escrevendo e que por enquanto tá com aproximadamente 200.000 páginas. Tudo depende do personagem mais importante da cena e de quem o acompanha, ou se é uma situação de construção de personagem – Diálogos, cotidiano, brigas, etc etc – Costumo usar o máximo possível.

    Claro, tem horas que o enredo PEDE menos. Um dos meus personagens fica louco ao decorrer da história (OK, todos ficam, mas esse fica MUITO insano) e aí vou cortar o POV dele pra deixar o leitor inquieto. Quero que ele seja motivo de inquietação, de perturbação. Quero que o leitor se ponha na pele de quem quer ajudar e que não sabe como é estar louco. Quero que o leitor só veja e não sinta o desespero desse personagem insano. Às vezes posso voltar pro POV do insano, mas só por alguns momentos mas, em geral, fica por aí mesmo.

    Mas como escritora de terror (Dá uma olhada no meu blog (Sim, isso foi propaganda gratuita omg)), dou outra dica: História de terror/suspense/drama é SEMPRE boa em primeira pessoa. Não hesite em modificar a narrativa “comum” pra adequar à história. Por exemplo:

    “Não havia ninguém em casa e estava tudo silencioso. Então eu fui andando para a sacada do quarto dela, que tinha uma rede, e parei no meio do caminho, porque a bolsa dela estava lá e o caderno estava jogado no chão. Tinha folhas espalhadas no chão, e peguei ele para ler.”

    BORING. Não tem sentimento.

    “Não havia ninguém em casa e estava tudo silencioso. Ela foi andando para a sacada do quarto da garota, que tinha uma rede, e parou no meio do caminho, porque a bolsa dela estava lá e o caderno estava jogado no chão. Havia folhas espalhadas no chão e ela as pegou para ler.”

    Terceira pessoa. Ficaria até bom em uma narrativa épica, mas não é o que eu quero.

    Resultado final:

    “Ah… E-então… Não havia ninguém em casa, não é? E estava tudo silencioso, não é? Então… Eu fui andando para a sacada do quarto dela, que tinha uma rede, e parei no meio do caminho, porque a bolsa dela estava lá, e o caderno estava jogado no chão. Tinha folhas espalhadas no chão, e eu peguei ele para ler…”

    (Do meu conto Elegia a Abril)

    Assumindo uma narrativa que parece mais com alguém falando, a coisa fica mais real. Pra algumas pessoas dá pra ver que a narradora está inquieta, perturbada. Pra outras, ela está desesperada. Importa é que ela não está confortável e isso passa o sentimento que a história quer passar.

    Eu também uso MUITOS espaços, letras pequenas, letras miúdas, falta de vírgulas, paradas súbitas, vírgulas demais… Tudo pra emular uma pessoa falando. Pode ser estranho da primeira vez, mas ao menos eu acho que funciona um pouquinho. =p

    Espero que meu post não tenha sido gasto de HTML. 😄

      • Argh, calma, calma, palavra errada! 200.000 palavras. 200.000 PALAVRAS! XDD Algo pra um livro de 1000 páginas.

      • Esse não é de terror, esse é fantasia medieval/histórica. Tudo parte de um projetão meu que vai ter uns oito livros. Minhas histórias de terror, por enquanto, são só contos. Um dia chego no nível do Tio King XDD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s