Como escrever lutas e combates

Como Escrever Lutas e Combates

Leia a cena de luta abaixo:

Antônio ainda estava sentado na mesa do bar quando recebeu o primeiro soco. Ele virou repentinamente e viu Ricardo em pé ao seu lado, chamando para uma briga. Antes mesmo de levantar, deu um chute na perna de Ricardo, fazendo com que seu oponente perdesse o equilíbrio e quase caísse.

Ricardo não demorou a desferir um outro golpe, desta vez abrindo um talho nos lábios de Antônio. O grandalhão, agora ferido, jogou seu corpo sobre Ricardo, que caiu batendo com a cabeça no chão e ficando desacordado. A luta estava encerrada.

O texto acima narra uma luta entre Antônio e Ricardo. Isto já é um problema, pois o ideal é mostrar e não narrar. Outro ponto que torna a cena fraca e desprovida de emoção é o fato de não existir um personagem com o ponto de vista (POV, vide “Como Estabelecer o Ponto de Vista”, partes I e II). A cena é vista “de longe” pelo leitor, que não fica emocionalmente envolvido. Os nomes dos personagens são repetidos muitas vezes, o que também afasta o leitor da cena.

Agora vejamos a mesma cena escrita de forma diferente:

Antônio estava distraído, sentado, saboreando sua cerveja gelada quando sentiu um forte impacto atingir seu queixo. Levou alguns instantes para que percebesse o que acontecia. Tentando ignorar a dor que sentia, girou a perna por baixo da mesa e atingiu seu oponente, que cambaleou e quase caiu.

Na noite anterior, ele dormira em um motel, acompanhado da mulher de Ricardo que agora olhava para ele furiosamente. Gotas de suor desciam pelo rosto do marido traído e Antônio começou a sentir uma ponta de culpa.

– Seu safado! Vou acabar com você! – Gritou Ricardo, mantendo os olhos fixos em seu alvo.
– Deixa disso gente boa. Vai pra casa cuidar da sua esposa, – disse Antônio, enquanto se preparava para receber o próximo golpe.

Ele nunca havia saído com mulher de ninguém, pois sempre teve medo de estar em uma situação como a que se apresentava agora. Mas, Lindalva era irresistível e ele acabou seduzido pela moça.

O ataque seguinte foi tão rápido que, mesmo estando alerta, ele não conseguiu impedir que seu lábio inferior fosse atingido. O gosto de sangue veio logo a seguir e foi neste momento que decidiu acabar logo com aquilo, antes que coisa pior pudesse acontecer.

O infeliz, certamente, não estava preparado para o que ele faria a seguir. Antônio atirou-se em direção ao corpo de seu rival, fazendo com que os dois caíssem. A cabeça de Ricardo bateu no chão de ladrilho e ele ouviu um barulho abafado. A luta chegara ao fim. Ele apenas certificou-se que o pobre coitado ainda respirava e saiu, deixando sua cerveja pela metade.

– Lindalva nunca mais, – disse baixinho.

E então? Melhorou? O mais importante aqui é o fato de Antônio ter o ponto de vista e o leitor ver a cena através de seus olhos. A aproximação é total e o leitor entra na briga!

Ao escrever uma cena de luta, faça com que o leitor conheça o personagem que detém o ponto de vista. Mostre seus pensamentos, suas emoções e os motivos que o levaram a estar naquela situação. Isso irá gerar identificação com o personagem e trará mais vida para a cena. Este conceito vale para qualquer tipo de confronto, seja uma briga de bar ou um duelo com espadas.

Nos últimos capítulos de “Anjos e Demônios” de Dan Brown, existe uma cena de luta entre Langdon (o herói) e o “Assassin” (o vilão). O experiente escritor coloca o ponto de vista em Langdon e faz o leitor entrar na pele do herói. Os apuros vividos pelo personagem nesta cena deixam nossos nervos à flor da pele! Se você já leu o livro, volte nesta parte e identifique as técnicas usadas por Dan Brown. Se ainda não leu, eis um bom motivo!

Texto retirado do site do escritor Julio Rocha : http://news.thate.com.br/jrocha/site/ste_tips_show.jsp?id=16

11 pensamentos sobre “Como escrever lutas e combates

  1. Bem interessante.
    Eu tenho escrito em primeira pessoa, então estou sempre usando o ponto de vista do personagem principal.
    Ainda assim, uma cena de luta minha foi dita muito rápida e a fiz assim com medo de ficar chata. Pensei: se é luta e entre seres com força e destreza acima do comum, ela tinha mais de ser rápida (ainda mais por ter sido vista do ponto de vista de um que não tinha tamanha agilidade e rapidez).

    Em certo ponto eu disse algo como “destruíram o jardim…” e a crítica perguntou: Destruíram como?

    Às vezes me perco porque neste ponto eu pensavam em deixar pro leito imaginar o que poderiam ter feito pra destruir o jardim, ainda mais pq numa luta tão rápida, não acho que o COMO fosse importante naquele momento. Ainda assim, como a crítica tem KNOW HOW e eu não, estou dando ouvidos a ela e tentando me adaptar.

  2. Pingback: Novidade: Sorteio de livro « FENIX RESURRECTED'S BLOG

  3. Pingback: Sorteio de livro « FENIX RESURRECTED'S BLOG

  4. Pingback: Não esqueçam do sorteio do livro « FENIX RESURRECTED'S BLOG

  5. Muito legal essa dica!!! Mas eu tenho uma dúvida.
    É mas facil descrever uma cenas de combate quando existe apenas um personagem principal. E quando o caso é mais de um personagem principal?
    Antes de mais nada eu queria saber se tem como escrever um livro com mais de um personagem principal? E se isso é bom ou ruim.
    Obrigado!

    • Olá Willian;
      Que bom que você está participando e trazendo suas dúvidas para o blog. Vamos as suas perguntas.
      Livro com mais de um personagem principal pode?
      Pode sim. O livro é seu e você pode colocar nele quantos personagens principais quiser. Agora tem um porém. Um livro com apenas um personagem principal já é dificil de dar conta – falo isso para quem está iniciando, é claro – imagine se tiver três? Eu não dou conta, confesso. Não acho que podemos classificar essa questão em termos de bom ou ruim, mas se a hitoria que está escrevendo pede isso. Eu fico lembrando do livro de J.R.R. Tolkien “O Senhor dos Anéis”, que você disse que já leu. O mundo criado por Tolkien é enorme e muito detalhado e essa é uma caracteristica dos livros de fantasia. Então para mostrar esse mundo em um dado momento Tolkien divide o grupo em três: os Hobbits vão para a Floresta, Frodo e Sam vão para as montanhas e o terceiro grupo (o grupo de Aragorn, Legolas e Gimly) vai para a cidade de Roham. Nessa fase cada grupo tem o seu personagem principal. Para que isso funcione ele vai alternando capitulos e narrando as aventuras de cada grupo em separado. Agora, fazer isso tudo em uma unica cena é inviável já que toda vez que for descrever uma batalha você antes precisa escolher de qual ponto de vista irá contar essa parte da historia. Mesmo que existam dois personagens principais na cena, você precisa escolher de qual ponto de vista vai narrar a cena. Espero ter respondido suas perguntas.

      Bjus da Barts.

  6. Entendi;)
    Mas e o caso do escritor C. S. LEWIS das Crônicas de Nárnia? Na história dele há 4 personagens principais e a leitura de Crônicas de Nárnia é bem mais “leve” e meno complexa doque a do Senhos dos Aneis, já que o publico de Crônicas de Nárnia é mais infantil.
    Ou o J. R. R. Tolkien usa uma narração deferente de C. S. LEWIS ?

  7. Pingback: Put a “ding” in fanfics #15 | JonasFics

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s